Myrtus communis – Murta

Flores masculinas do samouco, faia-das-ilhas, faia-da-terra - Myrica faya
Myrica faya – Samouco, Faia-da-terra
17 Fevereiro 2018
Flores de til e página inferior com glândulas revestidas de pêlos - Ocotea foetens
Ocotea foetens – Til
1 Abril 2018

Murta

ABREVIADO

A murta é a única espécie da família Myrtaceae nativa da Europa. É um arbusto típico da flora e do clima mediterrânico; muito aromático e com excelente adaptação à fraca pluviosidade e ao estio. Geralmente mal atinge 5 metros de altura, mais comummente entre 1 e 3 m, que na Primavera se cobre de flores brancas com numerosos e compridos estames. Provavelmente que a brancura e o perfume das flores de murta, favoreceram a sua utilização no arranjo de coroas e de ramos de noivas em várias partes da Europa. De entre os numerosos nomes dados a esta planta em português, temos murta-das-noivas, flor-do-noivado, por exemplo. A ligação da murta com a fertilidade ou “amor”, está também claramente explicitada na origem mítica deste arbusto com Vénus, que como sabemos é a deusa do Amor.

 

Família: MYRTACEAE

Nome científico: Myrtus communis L.

Publicação: 1753

Grupo: folhosa perene

Nomes vernáculos: murta, murteira, mirta, mirto, murtinho, murtinheira, martunheira, mata-pulgas, murta-das-noivas, flor-do-noivado, murta-do-jardim, murta-cheirosa, murta-ordinária, murta-comum, gorreiro, trovisqueiro

Hábito: arbusto aromático perenifólio de 1 a 5 m de altura com caule erecto muito ramificado desde a base. Copa irregular, frondosa, com ramos ascendentes, numerosos e densos. Rebentos do ano anterior pubescente-glandulosos, tornam-se depois glabros. Um ou vários troncos com ritidoma castanho-avermelhado, acabando por se tornar acinzentado e que ao escamar com a idade, revela a cor ruivacenta da casca. Forma naturalmente moitas quase impenetráveis.

 

Folhas: aromáticas, opostas, por vezes com 3 folhas por nó, com 2-5 cm por 1,5 cm de largura; simples, inteiras, ovado-lanceoladas, agudas; quase sésseis, uninérveas, coriáceas, lustrosas, sem pêlos ou com um conjunto de pêlos fracos nas nervuras da página inferior; numerosas pontuações glandulares no limbo; verde-escuras na página superior e verde-claras na inferior.

Flores: hermafroditas, solitárias, também aromáticas de 2-3 cm de diâmetro; longamente pedunculadas, axilares, com duas bractéolas caducas; sépalas persistentes, livres, ovadas e agudas; 5 pétalas brancas ou rosadas, de forma orbicular a obovadas, geralmente ciliadas e numerosos estames compridos. O cálice é constituído por sépalas triangulares persistentes, livres, ovadas e agudas; as anteras são ovóides e amarelas, o estilete é filiforme e o estigma é truncado. Os botões das flores são esféricos.
A floração vai de Abril-Maio a Agosto. Certas variedades podem apresentar floração tardia no princípio do Outono.

Frutos: baga pouco carnuda, elipsóide a quase globosa de 12-14 mm de comprimento por 7 mm de diâmetro, coroada por duas sépalas persistentes, sem pêlos, negro-azulada e pruinosa até à maturidade. As numerosas sementes são reniformes, rugosas e de cor castanho-esbranquiçado. Fruto comestível que amadurece a partir de finais de Agosto.
De notar que algumas variedades, como a var. Leucocarpa, produz frutos brancos e não azulados.

Gomos: pequenos e acastanhados.

Ritidoma: liso e avermelhado nos ramos jovens; com o tempo assume uma cor acinzentada e acaba por escamar; as placas do ritidoma ao caírem revelam a cor arruivada da casca.

 

Habitat: arbusto de plena luz ou de meia-sombra; aprecia os climas quentes e as terras pobres em matéria orgânica; a murta tolera todo o tipo de substrato, inclusive os pobres em calcário, desde que secos e bem drenados, mas com alguma humidade. Suporta ventos marítimos e ocasionalmente temperaturas negativas até –9°C; no entanto, o gelo queima os rebentos do ano a partir de –6°C. Ocorre em matos e matagais xerofíticos, em orlas ou sob coberto de bosques e povoamentos florestais abertos, sebes e charnecas; por vezes ripícola. Raramente excede os 500 m de altitude.
Planta mediterrânica de grande longevidade, podendo viver até 300 anos. Tem crescimento algo rápido nos primeiros anos de vida, mais lento depois
.

Propagação: por semente durante o Inverno; por mergulhia; por chanta em Junho e Julho, ou por estaca em Novembro.

 

Distribuição geográfica: a murteira é um arbusto nativo do sudoeste da Europa e do Norte de África. Mais amplamente é originária da bacia do Mediterrâneo, onde se encontra com frequência nas zonas costeiras europeias e norte-africanas.

Em Portugal: arbusto comum no centro e sul do País, sendo mais raro a norte do rio Mondego, excepto o vale do Douro e seus afluentes (Terra Quente Trasmontana). Fora também introduzida nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, onde se assilvestrou. Na restante Península Ibérica, encontramos a murta no sudoeste e litoral mediterrânico.

 

Usos: é um arbusto rústico utilizado em jardins e sebes. Tem pouca exigência em cuidados, rega e qualidade do solo. Tolera altas temperaturas e verões secos. Aceita a pode e topiária. Ao plantar a murta no seu jardim, terá o prazer da vista e das fragrâncias que toda a planta exala. Saiba também que o néctar das suas flores, muito melíferas, alimenta inúmeros insectos polinizadores e os frutos aves ou pequenos mamíferos, que em volta disseminam a murta. O todo é uma aliança, que favorece a biodiversidade.


A madeira da murta, apesar de ter pequenas dimensões, é considerada como uma madeira nobre. Possui um grão fino, é dura e elástica. Características que a tornam muito apreciado em embutidos, tornearia e marcenaria. Com ela fabricam-se pequenos objectos como bengalas, cabos de ferramentas e partes de móveis de valor.

 

 

 

numerosas utilizações da murta

Raras são as plantas com tantas aplicações e usos como a murta, para além de ornamental, possui aplicações em vários domínios, a estas junta-se a carga simbólica que acarreta através o mito de Myrrha.
Os frutos designados por mastruços ou murtinhos são comestíveis e utilizados na culinária italiana, onde aromatizam guisados e molhos. Na cozinha portuguesa, utiliza-se as folhas como o loureiro de modo a realçar carnes de sabor forte, como o borrego. Também com as bagas de murta se pode elaborar, compotas e licores, como o famoso licor ou digestivo “Arrabidine”; licor tradicional da Arrábida, inventado pelos monges da serra do mesmo nome.
Em perfumaria, o óleo essencial extraído das suas folhas (cujo aroma se assemelha ao da flor da laranjeira), entra na composição de numerosos perfumes e cosméticos, nomeadamente a “Água-de-Anjo”, perfume popularizado pelos Médicis, e que teve grande sucesso no século XVII e parte do século seguinte.
Como planta medicinal, possui propriedades como anti-séptica, desodorizante e anticatarral.
Por fim, é extraído da casca, raízes e folhas, taninos, utilizados na indústria dos curtumes.

 

O mito de Myrrha

Na cultura clássica, a murta era uma planta sagrada, na qual gregos e romanos viam o símbolo da Paz e do Amor; por extensão era também o símbolo da juventude, da beleza e da fecundidade. A murta era consagrada à deusa Afrodite dos gregos e à Vénus dos romanos. Esta relação entre a murta e a divindade do Amor, faz que ainda hoje perdure a tradição, um pouco por toda a Europa, da presença de flores brancas de murta nos ramos de noiva ou em grinaldas honoríficas.
Como no caso do loureiro (Laurus nobilis), a origem mítica da murta, encontra-se nas “Metamorfoses”, Livro X, de Ovídio. Embora no mito “Metamorfose de Myrrha”, a planta citada seja a mirra, com a qual se honravam os deuses. No entanto, muitos autores consideram que Vénus, também apelada Múrcia, a planta na qual se transformou Myrrha, não é a mirra que cresce na Arábia, mas a murta que existe na ilha de Chipre, onde vivia Myrrha.

Adónis é filho da relação incestuosa de Mirrha com seu pai, rei de Chipre. Ao reconhecer o erro, Mirrha pede aos deuses que a castiguem. A deusa Afrodite, compadecida, acaba por a transformar num pé de mirra para que escape ao seu trágico destino. Dez meses mais tarde, do seu tronco, nasceria Adónis.

 

 

Se pretende partilhar um comentário, colocar uma pergunta, acrescentar uma informação, ou observação, saiba que é possível fazê-lo; não precisa de se registar neste sítio. Basta digitar a sua mensagem no espaço “iniciar uma conversa“, depois clique no botão enviar e escolha, “Prefiro publicar como convidado”.