Phillyrea angustifolia – Lentisco

frutos de oliveira-brava - Olea maderensis
Olea maderensis – Oliveira-brava
8 Setembro 2020
Phillyrea latifolia – Aderno
29 Outubro 2020

Lentisco, Aderno-de-Folhas-Estreitas

ABREVIADO

O lentisco ou aderno-de-folhas-estreitas é um elegante arbusto das nossas terras mais quentes e secas. Pedregosos, pobres ou arenosos, contenta-se com todos os tipos de substrato. Destemido, aceita os ventos da beira-mar e o sal da maresia que lhe salpicam as folhas.
No seu meio natural, o lentisco passa despercebido entre os outros arbustos sempre verdes como ele; no entanto, algo chama a atenção do curioso: os seus longos ramos delgados e flexíveis, que a partir de Fevereiro se cobrem de pequenas e inúmeras flores perfumadas, mesa-posta para abelhas e outros insectos. Depois no Outono, oferece as suas bagas negro-azuladas ao seu olhar e ao apetite dos passarinhos.
Arbusto até 4 metros de altura, densamente ramificado desde a base ou com tronco individualizado; folhas linear-lanceoladas, agudas, de cor verde intenso.

 

DESCRIÇÃO

Arbusto perenifólio, androdióico, até 3 a 4 m de altura, por 2 a 3 m de largura. Possui copa densa, arredondada; um ou vários caules ramificados desde a base; ritidoma glabro e acinzentada, com numerosas lenticelas elípticas e cinzento tornando-se com a idade finamente reticulado; com ramos longos e suberectos; galhos cinzentos ou acastanhados, delgados, flexíveis, glabros ou puberulentos e cobertos de lentículas, raramente pubescentes.

Folhas opostas, simples, coriáceas, inteiras, sésseis ou curtamente pecioladas, linear-lanceoladas, agudas; limbo de 30-80 x 3-15 mm, com uma nervura central saliente e 4-6 pares de nervuras secundárias apenas visíveis na página inferior. As margens da lâmina são transparentes e lisas ou, raramente provida de pequenos dentes muito espaçados; verde-intenso e brilhantes na página superior e verde mais claro na inferior.
Flores diminutas, pouco vistosas, branco-amareladas, aromáticas, hermafroditas ou masculinas, agrupadas em inflorescências axilares das folhas do ano anterior. Cálice campaniforme, curto, amarelado e com lóbulos arredondados; corola de 2,7-4,2 mm de diâmetro, composta por quatro pétalas abertas em estrela; são visíveis 2 estames, filetes curtos e grandes anteras amarelas. Estilo curto e estigma arredondado e bilobado. A floração muito melífera, ocorre de Fevereiro a Abril.

O fruto é uma drupa ovóide ou subglobosa, apiculada de 5-6 x 4-5 mm, pouco carnuda do tamanho de uma ervilha; de coloração inicialmente verde, depois roxa a negro-azulada e quando madura torna-se anegrada e pruinosa; contem uma única semente ovalada a esférica, rugosa e acastanhada. Maturação dos frutos a partir de Setembro a Outubro. Os frutos que não são comestíveis pelos humanos, são muito apreciados por pássaros, que participam na dispersão do lentisco.

O ritidoma é primeiro glabro e branco-acinzentado pontuado de lentículas, com a idade, torna-se finamente reticulado

 

ECOLOGIA

arbusto de plena luz e xerófilo que suporta um coberto ligeiro, ocorre em bosques mediterrânicos, clareiras de florestas pouco densas, matos altos resultantes da degradação da floresta primitiva esclerófila, encostas, charnecas e matagais secos e ensolarados. Aprecia os Verões quentes e secos e os Invernos suaves sem frios intensos, pois é mais sensível às geadas que o aderno (Phillyrea latifolia), o que condiciona a sua presença em altitudes pouco elevadas, apesar de suportar pontualmente temperaturas negativas; tolera exposição marítima e resiste à ressalga. Indiferente à natureza do substrato, é frequente em solos pobres e pedregosos. Possui crescimento lento.
Desenvolve-se desde o nível do mar até 800 m, mas tem maior frequência até aos 200 m de altitude.
Longevidade superior a 100 anos.
Propaga-se por semente, estaca e alporquia; rebenta bem de touça.

 

 DISTRIBUIÇ­ÃO

Arbusto nativo da região mediterrânica ocidental e central: Itália e Ilhas, França, Espanha, Baleares e Portugal; Noroeste de África: Argélia, Tunísia e Marrocos. Planta frequente em toda a Península Ibérica, especialmente na metade sul, onde faz parte do cortejo da azinheira ou de outras formações arbustivas mais termófilas.

Encontra-se espalhado por quase todo o território continental; ausente nos arquipélagos, zonas montanhosas, no Noroeste e Nordeste transmontano exceptuando o vale do Douro.

 

USOS

Madeira

Possui madeira dura, pesada, de grão muito compacto, de cor clara, indo do branco ao amarelado que a fraca dimensão dos caules torna sem proveito. Fornece combustível e carvão de qualidade.

Ornamental

Espécie sem valor económico conhecido. No entanto, como se pode supor, detém um grande valor ecológico, nomeadamente as pequenas flores muito melíferas. Tem também valor ornamental. As suas folhas persistentes, sempre verdes e lanceoladas, as abundantes flores branco-amareladas e perfumadas, pequenas, mas vistosas em conjunto; seguidas pelas bagas negro-azulado e os seus raminhos delgados e flexíveis são características de um arbusto de grande elegância, que desde o século XVI levaram a que fosse plantada em jardins europeus. Actualmente conhece um novo interesse da parte dos jardineiros, que a usam em jardins secos, sebes e maciços arbustivos, ou isolada; não precisa de grandes cuidados, nem de rega; suporta bem a poda. Além de ser fácil de cultivar, o lentisco aceita ser plantado à beira-mar.

Resistente à poluição urbana.

ADICIONAL

O lentisco é uma espécie androdióica

O lentisco possui um sistema reprodutivo pouco comum e raro ao qual se dá o nome de androdioicia. No meio natural, encontramos indivíduos masculinos que representam cerca de 50% dos povoamentos e indivíduos hermafroditas cujas flores possuem em simultâneo, estames (órgãos masculinos) e pistilo (órgão feminino). Investigadores em botânica das universidades de Lille e de Montpellier, em França, descobriram nos finais da década 90 e princípios de 2000 que os indivíduos hermafroditas dividem-se em dois grupos geneticamente diferentes, embora de especto idêntico. As plantas hermafroditas de um mesmo grupos não se podem fecundar entre elas, só podem fertilizar as plantas do outro grupo, ao passo que os pés masculinos podem fertilizar todos os pés hermafroditas. O freixo-das-flores ou freixo-florido (Fraxinus ornus) e provavelmente o freixo-de-folhas-estreitas (Fraxinus angustifolia), ambas Oleáceas, têm igualmente um sistema reprodutivo androdióico, como o lentisco-bastardo.

Para aprofundar este assunto: Vassiliadis C. 1995. Étude du succès reproducteur mâle chez une espèce androdioïque : Phillyrea angustifolia. Efficacité de pollinisation et recherche de marqueurs moléculaires. Mémoire D.E.A. Évolution et Écologie. Université Montpellier II, Université des Sciences et Techniques du Languedoc, Montpellier

 

Família: OLEACEAE

Nome científicoPhillyrea angustifolia L.

Publicação: 1753

Grupo: folhosa perene

Nomes vernáculos: lentisco, lentisco-bastardo, cardono, aderno-de-folhas-estreitas

 

Se pretende partilhar um comentário, colocar uma pergunta à comunidade, acrescentar uma informação, ou observação, saiba que é possível fazê-lo; não precisa de se registar neste sítio. Basta digitar a sua mensagem no espaço “iniciar uma conversa“, depois clique no botão enviar e escolha, “Prefiro publicar como convidado”.