Amelanchier ovalis – Amelenquer

páginas superiores do amieiro, com o vértice do limbo chanfrado - Alnus glutinosa
Alnus glutinosa – Amieiro
12 septembre 2015
frutos de medronheiro, aspecto verrugoso - Arbutus unedo
Arbutus unedo – Medronheiro, Ervedeiro
10 avril 2016

Amelenquer, Nespereira-da-Rocha

AMELENQUER

O amelenquer é a única espécie europeia do género Amelanchier, sendo a grande maioria das espécies nativas do continente Norte-Americano. É uma planta relativamente rara no nosso País.

A nespereira-da-rocha, outro nome do Amelanchier ovalis, é um arbusto pequeno, até 3 ou 4 metros de altura, fino e elegante com casca clara. Produz um tronco múltiplo ou único, mas ramificando-se muito rapidamente em troncos secundários. Tem copa erecta, aberta e irregular que na Primavera se cobre de flores brancas, nos finais do Verão de frutos negros e, no Outono, de folhas amarelas, laranja e vermelhas.

 

 DESCRIÇÃO

Hábito: arbusto caducifólio inerme que não ultrapassa 3-4 m de altura, com copa pouco densa e irregular; geralmente ramificados desde a base, possui múltiplos trocos finos e escuros, raramente tronco único; ramos erectos, flexíveis e resistentes, raminhos jovens lanosos.

 

Folhas de tamanho muito variável, simples e alternas; pecíolo primeiro tomentoso, 2 vezes mais curto que a lâmina foliar, até 1,6 cm de comprimento; limbo oval, obovado ou arredondado de 2,5-5 cm, margem grosseiramente serradas, nervura central e oblíquas claras; ápice obtuso a subagudo e base levemente cordada; página superior verde-escura e glabra, a inferior ao desabrochar densamente coberta por tomento esbranquiçado, torna-se glabra, glauca e coriácea quando desenvolvida.

Inflorescência composta por rácimos corimbiformes, aparece na parte terminal dos ramos; floresce em Abril e Maio, pouco antes, ou durante o desabrolhar das folhas; é constituída de 2 a 10 flores hermafroditas. Cálice com sépalas linear-triangulares; corola de 2 a 3 cm de diâmetro, 5 pétalas brancas espaçadas entre elas, estreitas e compridas (oblonga-espatuladas) de 1,9 x 6 cm. Estames 10-20, com filamentos de 0,8-1,1 mm, glabros, amarelados; anteras 0,7 × 0,6 mm; carpelos 5; estiletes curtos 5. As flores são melíferas, nectaríferas e agradavelmente perfumadas.

O fruto é um pomo carnudo, pruinoso, globoso e comestível, com cerca de 1 cm de; primeiro verde, depois vermelho, torna-se negro-azulado quando maduro e encimado por restos do cálice persistente; contem 3 a 5 lóculos, cada um com 1 a 2 sementes de 4,5-6 × 2,8 mm, castanho-avermelhadas. Frutificação em Setembro. Os frutos permanecem na árvore depois da queda das folhas, são muito apreciados pelos pássaros que disseminam a espécie. Frutificação a partir de 5-6 anos.

Gomos de 2-4 mm, cónicos, com escamas franjadas de cotanilho.

O ritidoma é cinzento-avermelhado e liso. Os ramos jovens densamente tomentosos no início são posteriormente glabros e pardos.

ECOLOGIA

Habitat: arbusto rústico de plena luz que suporta também a meia-sombra. Prefere clima mediterrânico montanhoso, onde vegeta até altitudes de 1500 m; suporta muito bem o calor e o frio até 18°C negativos, como a ausência de chuvas sazonais. Prospera em diversos tipos de substrato, mas prefere solos calcários e secos, pobres em matéria orgânica; possui enraizamento profundo. Ocorre em florestas, bosques e matagais caducifólios pouco densos, orlas florestais, sebes e encostas em locais pedregosos, principalmente nas montanhas calcárias do centro e sul da Europa; no entanto em Portugal, desenvolve-se essencialmente em solos siliciosos e em leitos rochosos.

Propagação: por semente, preferencialmente colhidas ainda verdes e semeadas imediatamente, por pimpolhos com um mínimo de dois anos e providos de raízes, a transplantar em Novembro, rebenta também de touça. Tem crescimento lento a médio e uma longevidade superior a 50 anos.

 

 DISTRIBUIÇ­ÃO

Distribuição geográfica: planta nativa da Europa central e meridional, da Península Ibérica até à Crimeia, assim como nas Ilhas de Maiorca, Sardenha e Córsega; Ásia Menor: Anatólia; Próximo Oriente e Norte Oeste de África. Na península Ibérica, encontra-se nos sistemas montanhosos setentrionais, montanhas Cantábricas, de Zamora, Ourense e Norte de Portugal. 

Em Portugal: o amelenquer é uma espécie limitada às zonas montanhosas do Centro e Norte do País, nomeadamente na Beira Alta, Beira Baixa, Minho e Trás-os-Montes.

 

USOS

O Amelenquer é também um arbusto Ornamental

O amelenquer é uma espécie autóctone de grande valor ornamental, que ocorre naturalmente em bosques abertos de zonas montanhosas do Norte, tendo sido nas últimas décadas utilizada pela sua floração atractiva e folhagem colorida outonal, de cor de laranja a vermelho intenso.

 

Família: ROSACEAE

Nome científico: Amelanchier ovalis Medik.

Publicação: 1793

Grupo: folhosa caduca

Nomes vernáculos: amelenquer, melenqueiro, guilhomo, nespereira-da-rocha, nespereira-do-monte

 

Se pretende partilhar um comentário, colocar uma pergunta à comunidade, acrescentar uma informação, ou observação, saiba que é possível fazê-lo; não precisa de se registar neste sítio. Basta digitar a sua mensagem no espaço « iniciar uma conversa« , depois clique no botão enviar e escolha, “Prefiro publicar como convidado”.