Ocotea foetens – Til

Frutos maduros de murta, cobertos de pruína - Myrtus communis
Myrtus communis – Murta
21 Maio 2019
grupo de pinheiros-de-alepo – Pinus halepensis
Pinus halepensis – Pinheiro-de-alepo
15 Abril 2016

Til

 

Família: LAURACEAE

Nome científico: Ocotea  foetens, (Aiton) Baill.

Publicação: 1870

Grupo: folhosa perene

Nomes vernáculos: til

Hábito: o til é uma árvore perenifólia, endémica da Madeira e das Canárias, com um  porte que oscila entre os 20 a 30 m de altura, podendo atingir em boas condições de humidade 40 m; apresenta copa frondosa, larga e algo irregular, de piramidal a globosa; tem um tronco espesso, direito ou irregular, frequentemente ramificado desde a base, revestido por ritidoma que muda de cor e de textura com a idade, liso e cinzento, torna-se depois rugoso e pardo-escuro, não sendo raro exemplares com múltiplos troncos; pernadas de grande envergadura e torcidas; ramos jovens delgados, quadrangulares, com tegumento liso, cinzento-esverdeado a verde nos ângulos.

 

Folhas: inteiras, alternas, curtamente pecioladas 1-1.5 cm, elípticas a ovado-elípticas, acuminadas de 6-12 cm de comprimento e 3-5 cm de largura, com margens ligeiramente onduladas; coriáceas, glabras e lustrosas em ambas as faces, verde-escuro na página superior que quando envelhecem passam, por vezes, ao vermelho, alaranjado ou amarelado, e verde-pálido na inferior onde se podem observar duas ou mais glândulas revestidas de pêlos, na base de ambos os lados da saliente nervura principal. A folha ao ser amassada liberta um odor desagradável, como o sugere o nome da espécie.

Flores: espécie dióica; inflorescências pedunculadas de 1 a 7 cm, compostas por pequenas flores creme, branco-esverdeadas a amareladas, reunidas em panículas pouco densas, libertam um suave aroma adocicado que faz lembrar a tília. A corola possui 6 pétalas, tendo as masculinas 9 estames. A época de floração máxima corre de Junho a Agosto.

Frutos: baga elipsoidal com cerca de 3 cm de comprimento, envolvida até 1/3 por uma cúpula; verde-escuro primeiro, enegrece progressivamente com o amadurecimento; possui uma só semente.

Frutifica a partir de…

Gomos: fusiformes e verdes.

Ritidoma: primeiro liso, cinzento ou enegrecido que devido à abundância de protuberâncias provocadas por lenticelas torna-se rugoso, irregular e pardo-escuro com a idade.

 

Habitat: árvore de plena luz ou de meia sombra de clima ameno e húmido; característica da Laurissilva do Til que ocorre em altitudes compreendidas entre 600 e 1500 m, onde a humidade atmosférica constante, é geralmente superior a 85%, com nevoeiros frequentes, sobretudo nas áreas de influência do “mar das nuvens” e com precipitações superiores a 1700 mm por ano. Teme o frio a partir de 5 °C, e se as temperaturas forem negativas, morre. Prefere solos ricos, húmidos e profundos.

Vive vários séculos

Propagação: por semente, por estaca e mergulhia.

 

Distribuição geográfica: endemismo dos arquipélagos da Madeira, (ausente de Porto Santo, Desertas e Selvagens) e Canárias, (excepto Lanzarote e Fuerteventura).

Em Portugal: ilha da Madeira em altitudes compreendidas entre os 600 e os 1500 m (Laurissilva do Til), com grande significado na costa Norte, mas pode ser observado um pouco por toda a Ilha, inclusive como árvore de arruamento no Funchal. O til foi introduzido no arquipélago dos Açores, onde se naturalizou nas ilhas das Flores, Faial, São Miguel, Santa Maria e Terceira.

 

Usos: O til, elemento arbóreo dominante na Laurissilva temperada (± 600 a 1500 m de altitude), é a mais alta e a mais frondosa das árvores madeirenses. Hoje protegida ao abrigo dos estatutos atribuídos à floresta Laurissilva, foi no passado alvo de cortes severos, aliás, como quase todas as espécies arbóreas que existem na ilha da Madeira, pondo em risco de extinção algumas delas. É uma árvore imponente, cujos troncos têm uma espessura impressionante. A sua madeira serviu ao longo dos séculos os desígnios da actividade humana.  Serviu de vigas, soalhos, varas e fusos para lagares, no fabrico de peças agrícolas e domésticas e no fabrico de mobiliário. Mas nem só a construção e a marcenaria consumiram os tis, muitos foram desfeitos em lenha para alimentar os engenhos do açúcar, ou servindo de caixotes para o seu transporte.

A madeira do til é moderadamente dura, de textura homogénea e de grão fino, clara ou escura, conforme a idade da árvore continua a ser actualmente utilizada em marcenaria.

Embora tenhamos desbastado a Laurissilva sem medida, ainda hoje é possível encontrar tis de grande porte, verdadeiros monumentos naturais, possivelmente mais velhos que o povoamento das ilhas da Madeira e das Canárias.

 

O til capta água das nuvens

O til tem uma função importante nos recursos hidráulicos das ilhas. É um dos actores fundamentais do fenómeno natural da precipitação oculta ou chuva horizontal. Os nevoeiros condensam-se nas folhas e nos ramos da árvore, que colectam a humidade das nuvens. Vários estudos efectuados nas ilhas, comprovam que a humidade dos nevoeiro captada pela vegetação ou precipitação oculta, constitui uma componente importante do sistema hidrológico, chegando a atingir em condições ideais, mais de 60 % do total de água que cai anualmente no solo da floresta. No caso da floresta da Laurissilva do Til, esta pode atingir 10% do total, num ano, mas sobe para 30% durante o Verão. Esta proporção em relação à quantidade de água caída no solo florestal é mais relevante no verão, quando a precipitação é escassa e a precipitação oculta assume uma maior preponderância no total de água que abastece a floresta e que levadas levam até aos campos para rega das culturas.

 

O pombo-trocaz jardineiro da Laurissilva

Os frutos do til fazem parte, juntamente com os de outras lauráceas, da dieta do pombo-trocaz (Columba trocaz), ave endémica da Madeira que habita e nidifica na Floresta da Laurissilva. Este pombo possui uma importância fundamental na disseminação do til e de outras espécies  madeirenses, pois ingere os frutos inteiros e expele as sementes que ao germinar posteriormente contribuem para a renovação e expansão da laurissilva.

 

Etnofarmacologia: na medicina popular, a infusão das folhas do til é usada em lavagens do corpo, para combater a comichão (urticária). Também folhas ou frutos, em infusão ou chá é utilizada como anti-hipertensivo.