Cornus mas – Cerejeira-corneliana

Corema album – Camarinha
26 mai 2022
Cornus sanguinea – Sanguinho-legítimo
20 juin 2022

Cerejeira-Corneliana, Cornizo

A CEREJEIRA-CORNELIANA

A cerejeira-corneliana, é uma pequena árvore nativa da Europa Central e Sudeste que não atinge a Península Ibérica, pois um dos seus limites de distribuição a oeste, está na encosta norte dos Pirenéus.
No entanto, sendo uma das pequenas árvores mais espalhadas pela Europa, pareceu-nos pertinente, dá-la a conhecer. De facto, está muito ligada com a cultura clássica antiga, como a construção do cavalo de madeira de cerejeira-corneliana, madeira derrubada no bosque sagrado ao deus Apolo no Monte Ida (perto de Tróia), com o qual derrotaram os troianos; ou ainda no mito da fundação de Roma, fundada no local onde se espetou o dardo de cornizo lançado por Rómulo. Na cultura europeia, as bagas do cornizo têm servido no fabrico de doces e de álcoois, assim como em jardins.

 

DESCRIÇÃO

Hábito: Árvore ou arbusto caducifólio até 8 m, ocasionalmente até 12 m de altura, tronco erecto, com copa regular aberta. Ramos acinzentados e raminhos amarelo-esverdeados. Pequenos frutos vermelhos quando maduros.

 

Folhas opostas, simples, inteiras, limbo lanceolado, até 8 cm de comprimento, acuminadas, com 4-6 pares de nervuras laterais saliente, arqueadas em direcção ao ápice; verde mate, pubescentes com pelos aplicados, base arredondada, pecíolo até 6 cm

Flores hermafroditas amarelas-brilhantes com 4 sépalas, 4 pétalas de 5 a 10 mm de diâmetro, aparecendo antes das folhas e agrupadas em umbelas axilares com cerca de 20 mm de diâmetro, densas, simples, quase sésseis, de 10-25 flores; invólucro de 4 pequenas brácteas amareladas, na base de cada inflorescência. A floração muito melífera, ocorre em Fevereiro-Março.

O fruto, uma pseudodrupa elipsoidal ou oblonga-oval, de 2 x 1,5 cm, deprimido no ápice, vermelho brilhante quando maduro, carnudo, pendente com pedicelo de 6 mm, comestível, acidulado e de sabor agradável. Geralmente vinca 1-3 frutos por inflorescência de Julho a Setembro, contendo uma única semente envolvida pelo endocarpo lenhoso.

Ritidoma liso e acinzentado, que com o tempo se torna escamoso e pardo-acinzentado; os raminhos são verde-acinzentados, quadrangulares e pubescentes.

Gomos lanceolados, ligeiramente acuminados e os floríferos globosos com curto pedicelo, visíveis durante o Inverno.

 

ECOLOGIA

Ocorre em matos, bosques abertos, clareiras e sebes de terreno calcário. Suporta temperaturas negativas até 15° C.
Longevidade superior a 100 anos, podendo chegar aos 300 anos.

 

DISTRIBUIÇÃO

Encontra-se principalmente no Centro e Sudeste da Europa e, Ásia Menor. Ausente da Península Ibérica e ilhas.

 

USO

A cerejeira-corneliana é uma árvore cultivada pelos frutos e pela floração precoce muito vistosa. As flores amarelas-brilhantes aparecem antes das folhas. Tem também utilização ornamental; quanto aos frutos, que contrariamente aos frutos do sanguinho-legítimo (Cornus sanguinea), são comestíveis e entram na alimentação humana. Os mesmos frutos são igualmente muito apreciados pelas aves frugívoras.

Família: CORNACEAE

Nome científico: Cornus mas L.

Publicação: 1753

Grupo: folhosa caduca

Nomes vernáculos: cerejeira-corneliana, cornizo, (cornizo-macho)

 

Se pretende partilhar um comentário, colocar uma pergunta à comunidade, acrescentar uma informação, ou observação, saiba que é possível fazê-lo; não precisa de se registar neste sítio. Basta digitar a sua mensagem no espaço « iniciar uma conversa« , depois clique no botão enviar e escolha, “Prefiro publicar como convidado”.